Senador Plínio PSDB foto de Roque de SáAgência Senado
Senador Plínio PSDB foto de Roque de Sá Agência Senado

O senador Plínio Valério (PSDB-AM) afirmou na tribuna do Senado Federal que a saída dos médicos cubanos do Programa Mais Médicos, em novembro passado, deixou 600 mil amazonenses sem assistência médica.  Para o parlamentar, a versão original do programa apresentava muitos problemas, mas a retirada dos profissionais cubanos abriu uma lacuna enorme.

O parlamentar informou que, das 318 vagas que ficaram disponíveis, 212 ainda não foram preenchidas. E que existem, atualmente, 23 munícipios do Amazonas completamente desassistidos, sem a presença de nenhum médico para atender gestantes, crianças ou portadores de doenças crônicas.

A solução, segundo ele, seria aumentar os incentivos para os médicos brasileiros que se dispuserem a trabalhar nessas regiões remotas.

— Deve-se reconhecer o problema e, claro, estabelecer novas condições. Condições que estimulem os médicos a irem para o interior. Os moradores dessas regiões afastadas dos grandes centros têm tanto direito à saúde quanto todos os demais brasileiros. Devem receber essa assistência e cabe ao Estado garantir o justo atendimento médico a todos eles. O atendimento médico devido, que não é favor, que não é privilégio, que é um dever da União — afirmou.

Agência Senado