Fotos – Mário Oliveira / Semcom

O prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto, deu posse nesta quinta-feira, 1º/10, a seis Agentes Indígenas de Saúde (AIS), em caráter emergencial, para atuarem diretamente no apoio à saúde nas comunidades indígenas localizadas em contexto urbano de Manaus. Esta é a primeira vez que a prefeitura contrata profissionais de saúde exclusivos para o atendimento às comunidades indígenas, conforme estabelecido no Plano Municipal de Enfrentamento à Covid-19.

“É um gesto de valorização. Ninguém melhor que eles para fazer esse trabalho tão importante e que vai se somar ao que vem sendo realizado pelas Unidades Básicas de Saúde Fluviais, que fazem a atenção primária nas áreas ribeirinhas e vão nos dar uma noção melhor do que está acontecendo neste momento da pandemia”, disse o prefeito. “É a real manifestação do nosso respeito pelos indígenas, responsáveis por mais de 10 mil anos de história e conhecimento da nossa terra”, destacou. “Vocês vão proteger as etnias e seus antepassados, vidas humanas e tradição cultural milenar”, completou aos novos agentes em solenidade realizada no auditório da Casa Militar, bairro Compensa, zona Oeste.

Arthur voltou a criticar a artificialidade dos números da pandemia, incluindo no Amazonas, com casos Covid-19 sendo subnotificado como outras doenças respiratórias. “Isso é ruim para todos e fica pior ainda quando se trata do interior”, afirma. A Prefeitura de Manaus concluiu a última etapa do trabalho de investigação de 654 óbitos por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) Não Especificada, ocorridos em Manaus nos meses de abril e maio. Do total de casos, 345 foram reclassificados para Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus.

O prefeito manifestou, durante a solenidade, o seu desejo de que a atenção básica, nos próximos três meses, consiga atingir 70%, ficando entre os primeiros colocados em atenção básica em todo o país. Ele voltou a atribuir o crescimento dos indicadores de atenção básica, que em julho chegou a 64,09%, à implantação da Escola de Saúde Pública, que veio a fortalecer as ações de atenção primária adotadas nos últimos 8 anos. “Nós crescemos porque fomos buscar essa ideia em Palmas e implantamos em Manaus e isso deu um salto quantitativo e qualitativo na saúde municipal”, afirmou.

Tomaram posse os novos agentes Carlos Daniel Rodrigues, Jurandir Niconar Alfredo, Luarda da Silva Batista, Nelcilene Lopes de Almeida, Romário Fidelis e Tatiana Costa da Silva. “Este é um incentivo a mais para ajudar e valorizar os povos indígenas. São várias culturas que precisam dessa assistência básica, que o prefeito Arthur tanto valoriza. Espero, junto com os outros, ajudar a informar sobre prevenção e, principalmente, salvar vidas”, contou a agente Tatiana Souza.

Eles foram recepcionados pelo secretário municipal de Saúde, Marcelo Magaldi. “Desejo a todos vocês sucesso nessa jornada, que já começa segunda-feira. É mais uma ação para o combate à pandemia e ao fortalecimento da atenção básica de saúde, junto à população indígena”, saudou o secretário. “Vocês vão ter um treinamento com o pessoal da atenção básica e da saúde indígena e vão ser nossos olhos e nossas mãos junto à comunidade indígena”, informou.

Três Distritos de Saúde receberão dois AIS cada, sendo dois no Norte, na Policlínica Ana Barreto (comunidades indígenas Wotchimaucu / Tikunas, na Cidade de Deus) e UBS N-29 (comunidade Paixubal, no Santa Etelvina); dois no Disa Leste, na UBS Avelino Pereira (comunidade Nova Esperança Kokama – kokama, koiama, juruna, tikuna, mura e dessana) e UBS Silas Santos (comunidade Grande Vitória – kokama); e dois no Oeste UBS O-47 (comunidade Parque das Tribos/Tarumã – Parque das Nações Indígenas/Tarumã – tikuna, miranha, tukano, mundurucu, saterê-maué, mura, kokama, apurinã, baré, tapuia) e UBS O-06 (comunidades Waikiru/Saterê-Maué, na Redenção e bairro da Paz).

Também como parte das ações voltadas à atenção indígena, 28 Unidades Básicas de Saúde (UBSs) da capital serão equipadas com medicamentos, exames, testagem e equipamentos para atender, aproximadamente, 30 mil indígenas das zonas urbana e rural de Manaus. A iniciativa se deu a partir do pedido de ajuda do prefeito Arthur Virgílio Neto aos países ricos, por meio da campanha “SOS Amazônia”, durante o pico da pandemia no Estado e foi ouvido pelo governo alemão, via Cáritas, que destinará recursos na ordem de R$ 4 milhões, para o município realizar ações de prevenção à Covid-19 entre a população indígena.