Senador destacou que Brasil sempre teve atuação notável na diplomacia, inclusive por meio de mediações bem-sucedidas como as que definiram as fronteiras com os vizinhos, sempre pacificamente foto de Jefferson Rudy Agência Senado
Senador destacou que Brasil sempre teve atuação notável na diplomacia, inclusive por meio de mediações bem-sucedidas como as que definiram as fronteiras com os vizinhos, sempre pacificamente foto de Jefferson Rudy Agência Senado

O senador Plinio Valério (PSDB-AM) defendeu terça-feira (12) uma saída diplomática para a crise na Venezuela e condenou aqueles que tentam “apagar o incêndio com gasolina” pensando que estão ajudando. Ele lembrou que o Brasil e Venezuela sempre foram parceiros e é importante que a diplomacia tome a frente na busca da paz, do diálogo e do acerto.

— O impasse na crise da Venezuela, no meu ponto de vista, só se resolverá com competente esforço diplomático. É o que se exigirá do Brasil, que, ao longo da sua história, não apenas desenvolveu uma sequência de mediações bem-sucedidas como as tornou marco na condução de suas relações exteriores.

Depois de relembrar o papel conciliador do Barão de Rio Branco, que definiu as fronteiras brasileiras com negociações bilaterais, o senador relembrou que a era do Patrono do Itamaraty inaugurou a moderna diplomacia brasileira.

— A ideia é que o Brasil seja o mediador não só em cenários de flagrante violência armada, mas também em todas as ocasiões em que haja um conflito entre duas partes que represente uma ameaça à segurança e à paz internacionais, sendo essa participação brasileira sempre solicitada e nunca imposta.

Plínio insistiu em sua posição em defesa do papel da diplomacia brasileira, que pode contribuir para o encaminhamento de um entendimento que equacione a crise venezuelana.

— O Brasil sempre usou seu poder moderador, seu poder de convencimento, as suas ideias sobre a paz e é isso que tem que ser feito agora, é isso que se pede, é isso que se exige do Brasil — concluiu.

Agência Senado