27.6 C
Parintins
quarta-feira, junho 23, 2021

Pazuello resiste a conselho de militares para passar à reserva e cria encruzilhada para o Exército

BRASÍLIA — Ao se encontrar com o presidente Jair Bolsonaro, em São Gabriel da Cachoeira, no interior do Amazonas, nesta quinta-feira, o ministro da Defesa, Braga Netto, e o comandante do Exército, general Paulo Sérgio Nogueira, terão uma das mais espinhosas missões de suas carreiras: conseguir abrir um caminho para a encruzilhada em que o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello colocou a Força. No último domingo, ele subiu em um palanque com Bolsonaro no Rio, transgredindo a rígida legislação da caserna que proíbe militares da ativa de participar de atos políticos. O gesto obriga o comandante a puni-lo, sob pena de prevaricação. A única solução para que haja uma saída menos traumática para o problema é Pazuello aceitar os apelos que lhe têm sido feitos, por inúmeros colegas de farda, e pedir a sua passagem para a reserva. Ele, no entanto, resiste à ideia.

Resolver a questão Pazuello é representativa de uma encruzilhada ainda maior que as Forças Armadas, e o Exército, em particular, têm lidado e terão de continuar a lidar até o fim do governo. A impulsividade Bolsonaro, traduzida em palavras e em diversas ações que têm custado caro às Forças, que têm visto a sua imagem ser atingida, o que preocupa a todos. Por isso, gostariam e consideram necessário que surgisse uma espécie de muro de contenção para ajudar os militares a ficarem mais protegidos dos arroubos do presidente. Hoje, esse muro não existe e o desfecho do caso Pazuello servirá de paradigma também para a Marinha e a Aeronáutica, mesmo não estando diretamente envolvidas neste caso. Daí a dificuldade de aproveitar este encontro na fronteira amazônica — Bolsonaro passará a noite no interior do estado, de onde fará a live semanal — para se tentar construir um consenso que traga o mínimo de prejuízos ao Exército, assim como ao próprio presidente, que pode ser insuflado a achar que uma punição a Pazuello pode sugerir ameaça à sua autoridade.

O comandante e Braga Netto têm em suas mãos uma delicada tarefa. Mostrar a Bolsonaro a impossibilidade de não punir Pazuello, ainda que ele tenha ido ao Rio a convite do presidente. No Estatuto dos Militares e no Regulamento Disciplinar do Exército, há vedações expressas sobre militares participarem de manifestações políticas coletivas. O artigo 45 do Estatuto diz, por exemplo, que são “proibidas quaisquer manifestações coletivas, tanto sobre atos de superiores quanto as de caráter reivindicatório ou político”. Como chefe das Forças Armadas, Bolsonaro pode suspender eventual punição imposta a Pazuello.

O principal argumento do comandante é que Pazuello está de volta às fileiras do Exército e não mais na Esplanada dos Ministérios. Assim, precisa seguir as regras estabelecidas, sob pena de prevaricação, além de poder ser questionado pelo Ministério Público Militar. A principal preocupação, no entanto, é com a hierarquia e a disciplina nas Forças Armadas.

Pazuello resiste à ida para a reserva porque está no olho do furacão da CPI da Covid e acaba de ser reconvocado para prestar depoimento aos senadores. Na opinião de militares ouvidos pelo GLOBO, no entanto, não resta a Pazuello outra alternativa, depois do problema e do constrangimento criado por ele ao Exército com sua participação no ato pró-Bolsonaro. Para eles, Pazuello está deslumbrado com o poder e precisa “deixar de olhar para o próprio umbigo” em nome da proteção da Força.

ACESSE AQUI O GLOBO

Especial Publicitário

As maiores koiotagens

Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui