Corre atrás do fato por você

Manual de Placas do Centro Histórico de Manaus recebe colaboração do Iphan e deve ser lançado em janeiro

A terceira edição do “Manual de Placas – Parâmetros para Publicidade, Bancas e Recomposição de Fachadas no Sítio Histórico e Centro Antigo da Cidade de Manaus” entra na fase final de produção e design para ser lançada até o final de janeiro de 2022, após inédita parceria da Prefeitura de Manaus, via Instituto Municipal de Planejamento Urbano (Implurb), e o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) do Amazonas, na revisão e consolidação dos dados.

“É mais um trabalho com a prefeitura nas ações de conservação e valorização do Centro Histórico de Manaus, conhecido como Patrimônio Cultural Brasileiro. Esse trabalho conjunto visa especialmente a unificação das legislações e dar celeridade às análises para intervenções, incluindo os equipamentos publicitários”, explica a superintendente do instituto nacional, Karla Bitar.

O manual visa padronizar parâmetros para publicidade, bancas e recomposição de fachadas no sítio histórico e Centro Antigo da cidade Manaus, destacando a importância do tombamento para a preservação da memória e da cultura na sociedade.

“A publicidade é um elemento que traz qualidade aos edifícios comerciais, do que foram e como são protagonistas nas diversas etapas de desenvolvimento da cidade. Uma comunicação visual poluída, excessiva e inadequada em nada agrega de valor positivo ao ambiente e seu entorno”, adiciona o diretor-presidente do Implurb, engenheiro Carlos Valente.

Decreto

O manual está na fase de elaboração de desenho gráfico, e posteriormente para publicação como decreto lei, depois de aprovação pela gestão David Almeida. O documento tem o papel importante de zelar, preservar e criar instrumentos de proteção e defesa para a preservação dos bens naturais, de valor cultural e arquitetônico.

O trabalho tem coordenação da Gerência de Patrimônio Histórico (GPH) do Implurb, para composição de um texto atual e de fácil interpretação e prática para empresários, comerciantes, lojistas e proprietários de imóveis na área.

Com linguagem simples e objetiva, o documento estabelece limites e diretrizes para os espaços publicitários, informando parâmetros e padronização de diferentes tipos de placas, painéis comerciais, pinturas de letreiros, letreiros em relevo, colocação de toldos, cartazes e outros.

“Proprietários, empreendedores e lojistas tem amplo acesso ao conteúdo e são participantes desta jornada de construção e revitalização da área onde Manaus nasceu e se expandiu. É preciso que todos preservem os bens próprios de proteção, de valor histórico e arquitetônico. Eles fazem parte da nossa cultura e devemos ter em mente sua proteção, dentro de conceitos atualizados para recuperação urbana e valorização destes espaços. Buscamos, conforme meta do prefeito David Almeida, uma Manaus melhor e que respeita sua história”, lembra Valente.

Orientação

O documento orienta quanto aos procedimentos para a aprovação de projetos de instalação desses engenhos. Esses procedimentos ajudam o comerciante e a sociedade em geral a participar e contribuir com a revitalização do Centro Histórico de Manaus. Auxiliam ainda a deixar o bairro com menor poluição visual, liberando áreas antes escondidas, que suprimiam da visão paisagens arquitetônicas e culturais pertencentes aos manauaras.

“As intervenções físicas nas fachadas históricas quase sempre envolvem alterações inadequadas que incorporam novos materiais em substituição aos elementos originais como alteração de vãos, demolição de paredes, troca de esquadrias e outros itens que acabam mutilando suas características estilísticas históricas e tão preciosas”, afirma a gerente do GPH, arquiteta Luiza Lacerda, uma das coordenadoras da atualização do manual.

Além disso, nessas fachadas, na maioria das vezes, é inserida publicidade excessiva causando poluição visual no centro histórico. A disputa por espaços publicitários, as adaptações de usos e as reformas em geral encobrem os elementos estilísticos e ornatos com elementos poluidores. Tais alterações desastrosas em bens protegidos e em seus entornos vem causando a ruptura da composição dos conjuntos de fachadas e ambientes históricos de maior expressividade arquitetônica.

A padronização dos engenhos publicitários definida no manual tem como objetivo reduzir as interferências visuais sobre as fachadas, favorecendo que todos possam ter acessibilidade e visibilidade do espaço urbano e sua história. Para enriquecer os projetos, programas e ações no bairro, o prefeito David Almeida criou a Comissão Técnica para Implementação e Revitalização do Centro Histórico de Manaus, pelo decreto 5.034, de 11/3.

— — —

Texto – Claudia do Valle / Implurb

Fotos – João Viana / Arquivo Semcom

Disponíveis em – https://flic.kr/s/aHsmWz6Shu

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.