Reprodução Facebook

O Laboratório Central de Análises Clínicas (LACEN) enviou à Secretaria de Saúde de Parintins – SEMSA o resultado do exame da jovem parintinense Laena Cardoso Farias, nesta sexta-feira, dia 29 de maio. O exame -PCR RT- de reação em cadeia da polimerase deu negativo para o COVID-19. A jovem não faleceu em decorrência do Coronavírus, que provocou a pandemia mundial.

O teste rápido já tinha dado resultado negativo, no dia 26 de maio. A Vigilância Sanitária de Parintins na investigação epidemiológica descobriu, através de familiares, amigos e o esposo de Laena, que a jovem sofria de problemas cardíacos. Sempre se queixava de dores no peito e costas. Inclusive fez exames em Manaus.

Laena Cardoso Farias morreu dia 26 de maio. Logo após o almoço, começou a sentir falta de ar. Sentou no sofá da casa para fazer inalação. O esposo a encontrou desfalecida. E a conduziu até o Hospital Padre Colombo, aonde já chegou sem vida. Amigos lançaram o #laena como forma de apoio aos familiares. A morte dela causou comoção na cidade e surpresa pela velocidade.

“Na investigação detectamos esse problema de coração que agora o exame do LACEN corrobora. Também a conduta dos médicos e equipe desde UBS e Hospital foram adequadas, passaram a  medicação e reavaliação para voltar no tempo hábil. Porém teve o problema súbito. A médica plantonista indicou possível causa de óbito seria infarto agudo do miocárdio, mas precisávamos fazer o teste e contra prova. A equipe de saúde se sente derrotada quando as pessoas morrem, pois todos fazem da melhor forma possível. Infelizmente perdemos essa jovem e tínhamos que fazer a investigação”, comentou ao Site ParintinsAmazonas e Site do Koiote, via telefone a coordenadora da Vigilância Sanitária Elaine Pires.

Segundo o Ministério da Saúde, de 2013 pra cá os episódios de infarto entre adultos com até 30 anos subiram 13%. Segundo dados do Ministério da Saúde, até outubro de 2019, 740 procedimentos de infarto agudo do miocárdio em pacientes com menos de 30 anos foram registrados no Sistema Único de Saúde (SUS). No ano passado, foram 856. Em 2017, 805. Já no começo da década, em 2010, o número foi de 675.

Laena atuava na Agência de Defesa Agropecuária e Florestal do Estado do Amazonas – ADAF, vinculada à Secretaria de Estado de Produção Rural-SEPROR, na cidade de Parintins.

O esposo Laena, Anderson Farias fez postagem de vídeo de agradecimentos pelos 11 anos que conviveram e pelas mensagens de apoio.

 

Da Redação: Hudson Lima – Koiote