Maciel é candidato a prefeito

Atento as necessidades urgentes do município de Itacoatiara (a 176km de Manaus), Cabo Maciel protocolou junto a Mesa Diretora da Aleam, dia 23 de outubro, expediente em forma de indicação ao Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado da Assistência Social (SEAS), a implantação do Centro Estadual de Convivência do Idoso, num formato ousado e inovador para atendimento qualificado à pessoa idosa do município.

No seu pedido Cabo Maciel defende um espaço para prática de diversas atividades que possa contribuir no processo de envelhecimento saudável no desenvolvimento da autonomia e de sociabilidade e fortalecimento do vínculo familiar e do convívio comunitário para atender principalmente aquelas pessoas acima de 60 anos que se encontram em situação de risco social.

DPE debate endividamento dos idosos em Live, destaca Cabo Maciel

O presidente da Comissão Permanente de Segurança Pública da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), deputado estadual Cabo Maciel (líder do PL), destacou  sexta-feira (23), a iniciativa da Defensoria Pública do Estado do Amazonas (DPE-AM), por debater em parceria com a Fundação Universidade Aberta da Terceira Idade (FUnATI), através de Live várias questões e principais dúvidas sobre direitos dos idosos do Estado do Amazonas.

Uma das principais questões que chamou a atenção do parlamentar foi com relação a orientação em vista do aumento do endividamento da população idosa nos últimos meses, mas que foi ampliado com outros temas.

De acordo com Cabo Maciel ao longo de uma hora, os defensores públicos responderam dúvidas de participantes e falaram sobre conceitos legais, prioridades do idoso, medidas protetivas, alimentos, além de esclarecer quem pode procurar a Defensoria do Idoso, o que é preciso para ser atendido e como ocorre o atendimento.

O defensor Ali Assad destacou que, por conta da pandemia, o atendimento presencial passou a ser remoto por meio do telefone (92) 98436-0387 e aplicativo Telegram. “Mesmo com a pandemia continuamos atendendo, mas de forma remota. Qualquer pessoa, que tenha conhecimento sobre violações ao direito dos idosos pode procurar a Defensoria. Não precisa ser necessariamente o idoso que esteja sofrendo as violações, pode ser qualquer filho, qualquer parente, vizinho”, disse.