23.9 C
Parintins
segunda-feira, março 1, 2021

Greenwald falará na Câmara sobre vazamentos da Lava Jato

O jornalista Glenn Greenwald, editor do The Intercept, confirmou presença em uma audiência pública na Câmara dos Deputados na próxima terça-feira (25), às 15h, a respeito das revelações feitas pelo site sobre conversas entre o ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro, e a força-tarefa da operação Lava Jato, na época em que o ministro era o magistrado que julgava os processos decorrentes da investigação.

Greenwald falará na Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM), atendendo a um convite dos deputados Camilo Capiberibe (PSB-AP), Carlos Veras (PT-PE), Márcio Jerry (PCdoB-MA) e Túlio Gadelha (PDT-PE). Os paramentares afirmaram, no pedido para chamar o jornalista, que os “direitos dos cidadãos objeto da Operação Lava-Jato, particularmente do cidadão Luiz Inácio Lula da Silva, foram violados sistematicamente” durante a operação, e que as reportagens do Intercept “jogam dúvidas contundentes sobre a imparcialidade na atuação do juiz Sérgio Moro e de outros juízes e procuradores”.

“Essa comissão precisa dirimir dúvidas sobre a veracidade das denúncias e o conteúdo do material coletado pelo jornalista, que demostram grave violação dos princípios do devido processo legal sem qualquer tipo de distinção, evidenciando a atuação parcial e política de um poder que deveria ser neutro”, diz um trecho do convite aprovado na semana passada.

Outra comissão da Câmara, a de Segurança Pública, também fez um convite a Greenwald, mas com o viés oposto: inquirir o jornalista sobre a maneira como o site obteve as mensagens trocadas entre Moro e o procurador federal Deltan Dallagnol. Até o momento, o jornalista não respondeu a este chamado, o que provocou protestos do autor do requerimento, deputado Daniel Silveira (PSL-RJ). A audiência será conjunta.

“Após meu convite, alguns parlamentares da esquerda também convidaram, e espalharam a mentira de que eu havia recuado. Normal para eles agir na mentira. Agora, querem encher a comissão da matula esquerdista para terem voz. Vamos lotar também, quero ver no que dá”, escreveu o parlamentar no Twitter.

O pedido de convite desta comissão afirma que o Intercept “vazou irregularmente informações extraídas de igual forma criminosa dos dispositivos de telefonia” de Moro e Dallagnol, e faz alusão a notícias de que o celular do ministro teria sido clonado.

Em audiência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) na semana passada, Moro disse que recebeu três ligações de seu próprio número, o que indicaria clonagem, e que já encaminhou o aparelho à Polícia Federal (PF) para investigações.

“Os dados podem ter sido não só extraídos e veiculados ao arrepio da Lei, mas tendo também alterado o seu conteúdo, o que sem sombra de dúvidas nos remete a pratica de crime ainda maior”, afirma Silveira em seu requerimento.

Congresso Em Foco

 

As maiores koiotagens

Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui