Menores índices de ocorrência aconteceram nos meses de pico da pandemia no Amazonas. — Foto: Divulgação/Detran-AM

Os flagrantes de motoristas dirigindo embriagados no Amazonas diminuíram cerca de 52,5% durante a pandemia do novo coronavírus. O comparativo é feito entre os meses de março e julho deste ano, e o mesmo período do ano passado, de acordo com dados do Departamento Estadual de Trânsito (Detran-AM).

Os menores índices de ocorrência dos casos aconteceram nos meses do pico da pandemia, período no qual a capital sofreu colapsos no sistema de saúde e funerário. Em março, foram 86 ocorrências. Em abril, 13 – menor registro -, e maio 31.

A partir de junho, os números voltaram a subir. No sexto mês do ano, o Detran registrou 130 ocorrências de pessoas dirigindo alcoolizadas. Em julho, foram registradas 145 ocorrências. No dia 8 de agosto, o órgão bateu recorde de flagrantes de motoristas dirigindo alcoolizados em um único dia, com 40 casos.

Mas, mesmo com o aumento dos números de casos de embriaguez no volante nos dois últimos meses, se comparado o período de março a julho com o mesmo de 2019, existe uma redução de 52,5% de casos. A redução, segundo o coordenador-geral do Núcleo Especializado em Operações de Trânsito, Vitor Mansur, deve-se a pandemia.

“Essa redução nos números é, sem dúvidas, devido a crise sanitária que vivemos. Devido a pandemia, tivemos essa redução. Até porque teve um decreto governamental que fechou bares e nós também intensificamos as nossas operações para coibir isso”, explicou.

Conforme o artigo 165-A do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), os condutores flagrados no bafômetro recebem as seguintes punições: suspensão do direito de dirigir por 12 meses, multa de R$ 2.934,70, sete pontos na CNH, além de remoção do veículo. Por meio do disque-denúncia do Neot (98404-4389 WhatsApp) as pessoas podem avisar o Detran sobre práticas ilegais no trânsito. /// Por G1 AM