Grupo de Ciclistas fazendo a trilha no Interior da Vila Amazônia (foto Justino Guimarães)
Grupo de Ciclistas fazendo a trilha no Interior da Vila Amazônia (foto Justino Guimarães)

Um boi acertou em cheio uma colega ciclista na estrada do Cantagalo. Foi muito grave, salvo pelo jornal local de rádio que noticiou, ninguém mais deu importância ao caso ou suscitou o perigo que sofre quem pedala nas ruas ou estradas de Parintins.

Aproveito o incidente (que graças a Deus não foi uma tragédia pior) para tocar no assunto…

Diariamente, quem escolheu essa modalidade como prática esportiva na ilha, está sujeito a diversos perigos. Parece que somos invisíveis diante da maioria dos motociclistas e motoristas de carro. Por mais que estejamos com roupas claras, com a bike sinalizada, é comum passarem de “raspão” nas bikes.

O mais assustador, ao meu ver, é quando vamos na preferencial e o condutor que vem noutra via, que pede parada, não respeita isso também, passando direto e nos obrigando a parar, como se nosso transporte fosse menos importante que o dele.

Fico pensando se, no caso do acidente, o animal tivesse colidido com um carro ou caminhão e viesse a óbito, talvez tivessem fazendo mais alarde. Eu fico chocada com a insensibilidade de uma sociedade que preconiza uma vida em detrimento de outras. A moça do acidente não é menos humana que ninguém em uma moto ou carro.

Foi com ela, durante um treino, mas poderia ser com qualquer um que usa esse veículo como meio de transporte na cidade ou nas comunidades rurais. Parintins nem é uma cidade tão grande, ou com problemas de trânsito, se cada um se conscientizar e sensibilizar, dá para todos conviverem em harmonia. Vamos respeitar mais os ciclistas.