Ele caminhava tranquilamente pela rua e usava uma barba falsa.
Ele caminhava tranquilamente pela rua e usava uma barba falsa.

O italiano Cesare Battisti, de 64 anos, cuja extradição foi determinada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), em 13 de dezembro do ano passado, foi capturado na Bolívia. De acordo com as autoridades da Itália, a detenção foi possível pela parceria entre investigadores italianos e bolivianos. Ele caminhava tranquilamente pela rua e usava uma barba falsa.

Battisti estava em Santa Cruz de La Sierra, uma das principais cidades da Bolívia, e foi capturado por volta das 17h deste sábado (12). Segundo relatos, ele não tentou escapar. Questionado pelos policiais, respondeu em português. O italiano usava calça azul e camiseta, óculos escuros e barba falsa.

As autoridades avaliam se a extradição para a Itália será feita diretamente da Bolívia ou se Battisti será enviado para o Brasil e, assim ser encaminhado para a Europa. Há uma aeronave do governo italiano com agentes da Aise, a agência de inteligência do país, aguardando orientações, em território boliviano.

Condenação

Condenado à prisão perpétua na Itália, Battisti foi sentenciado pelo assassinato de quatro pessoas, na década de 1970, quando integrava o grupo Proletários Armados pelo Comunismo, um braço das Brigadas Vermelhas. Ele se diz inocente. Para as autoridades brasileiras, ele é considerado terrorista.

No Brasil desde 2004, o italiano foi preso três anos depois. O governo da Itália pediu sua extradição, aceita pelo STF. Contudo, no último dia de seu mandato, em dezembro de 2010, o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva decidiu que Battisti deveria ficar no Brasil, e o ato foi confirmado pela Suprema Corte.

O presidente Jair Bolsonaro, mesmo antes de empossado, defendia a extradição de Battisti. Nos últimos dias do governo Michel Temer, houve a decisão do STF. Após dias de buscas, a Polícia Federal divulgou 20 simulações sobre a possível aparência do italiano.

Embaixador da Itália comemora captura de Battisti

O embaixador da Itália no Brasil, Antonio Bernardini, comemorou a captura, na Bolívia, de Cesare Battisti, de 64 anos, procurado pelas autoridades brasileiras há quase um mês. Na sua conta no Twitter, o diplomata escreveu, inicialmente em italiano, depois em português. “Battisti está preso! A democracia é mais forte [do] que o terrorismo.”

O diplomata se referiu à prisão de Battisti executada neste sábado (12), em Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia. Ele teve a prisão decretada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), em dezembro, e fugiu do Brasil. A extradição foi autorizada ainda na gestão do governo Michel Temer.

Bernardini se reuniu com o presidente Jair Bolsonaro, logo após o resultado das eleições, e reiterou o pedido para a extradição de Battisti. Na Itália, ele foi condenado à prisão perpétua.

Battisti foi sentenciado pelo assassinato de quatro pessoas, na década de 1970, quando integrava a ação Proletários Armados pelo Comunismo, um braço das Brigadas Vermelhas. Ele se diz inocente. Para as autoridades brasileiras, ele é considerado terrorista.

Reações

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente da República, também comemorou nas redes sociais a captura de Battisti. “A Itália só teve ‘anos de chumbo’ porque antes teve anos de terrorismo. Bombas, autoridades sequestradas, assassinatos políticos e etc. Não dá para combater terrorismo como se fosse crime comum.”

* Com informações da RAI, emissora pública de televisão da Itália e Agência Brasil