22 C
Parintins
quarta-feira, junho 16, 2021

Bolsonaro deve anunciar nos próximos dias novo procurador-geral da República

O presidente Jair Bolsonaro disse que deverá apresentar até 6ª feira (16.ago.2019) o nome que escolheu para ser o novo procurador-geral da República, cargo hoje ocupado por Raquel Dodge. Ela poderia ser reconduzida por novo período de dois anos, mas o Poder360 apurou que não será essa a opção do presidente.

A escolha mais provável de Bolsonaro é o subprocurador-geral da República Augusto Aras. Ele nasceu em Salvador (BA) em 4 de dezembro de 1958. Está no MPF (Ministério Público Federal) há 32 anos. Fez mestrado em direito econômico na UFBA (Universidade Federal da Bahia) e doutorado em direito constitucional na PUC (Pontifícia Universidade Católica) de São Paulo. É professor da UnB (Universidade de Brasília).

Aras foi recomendado a Bolsonaro pelo ex-deputado federal Alberto Fraga, do DEM de Brasília e coronel da reserva da Polícia Militar. O presidente gostou. Achou Aras uma pessoa direta, objetiva, com senso correto de hierarquia nas instituições.

Nos últimos dias, Bolsonaro, ministros e integrantes do alto escalão do governo têm mantido reuniões com Marcelo Weitzel Rabello de Souza. Ele é conselheiro do Conselho Nacional do Ministério Público e foi procurador-geral de Justiça Militar de 2012 e 2016.

Os fardados do governo gostariam de Weitzel no lugar de Dodge. Bolsonaro foi informado de que haveria alguma contestação jurídica. Determinou, entretanto, que Weitzel faça parte da administração da PGR.

Outro nome em consideração é Lauro Cardoso, procurador da República da 1ª Região (Brasília), ex-secretário-geral do Ministério Público da União, que inclui MPF e as áreas militar e do trabalho. Ele foi o 4º colocado na eleição em que seus colegas fizeram uma lista tríplice de nomes e é ex-paraquedista e do Batalhão de Forças Especiais do Exército, formado pela Aman (Academia Militar das Agulhas Negras). Bolsonaro foi paraquedista do Exército e formou-se na Aman.

Também é considerado para o cargo Paulo Gonet, subprocurador-geral da República, católico, conservador e, por exemplo, contrário à criminalização da homofobia.

O mandato de Raquel Dodge termina em 17 de setembro. Na sua campanha para tentar ficar na cadeira de procuradora-geral, ela tentou se aproximar de Michelle Bolsonaro. O presidente soube e achou péssima a iniciativa. A chance de Dodge ficar é zero.

Os integrantes do MPF têm grande independência para trabalhar –não há, na maior parte das situações, subordinação ao procurador-geral. Mesmo assim, o chefe do órgão tem grande poder. Atua com exclusividade nas ações que estão no MPF. Portanto, é só quem pode apresentar denúncia contra o presidente da República.

No MPF, cabe ao procurador-geral autorizar a criação de forças-tarefas. Há 27 desses grupos em andamento atualmente, dos quais 6 ligados à Lava Jato em 3 Estados e no Distrito Federal. Nessas operações trabalham atualmente 65 procuradores da República. Poderá ser alterada na nova gestão a forma de escolha dos integrantes desses grupos e a estabilidade deles na função.

O procurador-geral da República administrará orçamento de R$ 4 bilhões no próximo ano. Esse montante não pode crescer acima da inflação em função da emenda 95, o teto de aumento de gastos. Há quem defenda maior uso de tecnologia para reduzir custos no MPF. Pôr isso em prática dependerá do novo procurador-geral. /// Fonte: Poder360

Especial Publicitário

As maiores koiotagens

Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui