23.4 C
Parintins
domingo, março 7, 2021

Alunos da rede municipal prestigiam em casa última transmissão de aula nesta quarta-feira, 16/12

Foi ao ar nesta quarta-feira, 16/12, o último episódio do projeto Aula em Casa, que contou com a participação de 28 professores da Prefeitura de Manaus e seis intérpretes de libras, que participaram diretamente das gravações. Durante todo o ano, foram 356 vídeos, divididos em língua portuguesa, matemática, ciências, geografia, história, educação física e do projeto English For Kids.

“A Secretaria Municipal de Educação, a Semed, só tem a agradecer a todos os professores, principalmente aqueles que se dispuseram a ir para frente das câmeras e gravar para o projeto Aula em Casa. Foi uma experiência única e muito gratificante, além de ser uma forma de se manterem juntos nesse período tão difícil para os estudantes e suas famílias. Em nome do prefeito Arthur Virgílio Neto e da secretária Kátia Schweickardt, parabenizo todos os professores da rede, que precisaram se reinventar e utilizar as diversas tecnologias para dar continuidade ao processo de ensino e manter o fluxo de aprendizagem dos alunos. Essa experiência ficará marcada na nossa vida”, disse a subsecretária de Gestão Educacional, Euzeni Araújo.

O primeiro episódio do projeto foi ao ar no dia 1º de abril deste ano, para atender os alunos da Semed e da rede estadual, que por conta da pandemia do novo coronavírus, causador da Covid-19, tiveram as aulas presenciais suspensas. Na rede municipal de ensino, mais de 175 mil alunos do ensino fundamental 1, que corresponde a turmas do 1º ao 5º ano, e do fundamental 2, 6º ao 9º ano, estiveram engajados no projeto. A Semed atende a mais de 242 mil estudantes, destes 147.168 estão matriculados no ensino fundamental.

O acompanhamento ao acesso dos alunos e professores foi realizado diariamente pelas equipes da Gestão Integrada da Educação (Gide) e de Geoprocessamento da Semed, por meio do link de monitoramento semanal, que também identificava de que forma era feito o acesso, por computador, notebook, aparelho celular ou televisão.

 

Desafio

A professora de matemática do 2º ano, Edla dos Anjos, afirmou que o projeto foi um desafio e os professores tiveram que se reinventar. “Foi uma sala de aula diferente, onde invadimos as casas de nossas crianças e tivemos um bom retorno e carinho dos alunos. Foi um projeto bem satisfatório neste ano tão atípico”, disse.

 

Para os alunos da rede municipal, as aulas foram bem produtivas, como é o caso da pequena Laura Isabella Vieira, de 8 anos, da escola municipal Professora Maria das Graças Andrade Vasconcelos, no bairro Planalto, na zona Oeste, que concluiu o 2° ano do fundamental afirmando que aprendeu muito. “Gostei muito de assistir as aulas em casa. Minha preferida era a de matemática, porque é divertida, aprendi adição, que é juntar, tabelas e gráficos. Eu acordava e ligava a TV para assistir. Acabou e vou sentir falta e já estou ansiosa para o próximo ano”, contou.

Júlia Nicole dos Santos, 10 anos, aluna do 5º ano da escola municipal Engenheiro João Alberto Menezes Braga, no bairro Vale do Sinai, zona Norte, é uma das estudantes engajadas que sempre acompanhou as aulas remotas. “Eu quero agradecer aos professores por todo esforço e por nos ensinarem muito bem com assuntos bem diferentes. Os professores faziam as aulas ser engraçadas e divertidas, principalmente, os professores de matemática e ciências, que são as minhas matérias preferidas. Nesse momento tão difícil, essa foi a melhor forma para aprendermos sem sair de casa”, agradeceu.

A professora de língua portuguesa, Gabriela de Almeida, fez parte do projeto e gravou uma aula especial para o último episódio do projeto. Para ela, a experiência foi um desafio, que valeu a pena. “Já sabia no início que o projeto não seria fácil, porque estamos vivendo algo novo com a pandemia, mas com muita coragem e fé aceitei o convite para compor o quadro de professores de aulas on-line. Durante todo o percurso, tivemos o apoio de uma equipe de profissionais engajados na educação, o medo que eu tinha foi deixado de lado. Gravei com muita emoção minha última aula, sou grata pelo apoio de cada pessoa que esteve nesse processo de ensino remoto. Estou feliz e com o coração cheio de gratidão”, despediu-se a professora.

Gravações

As gravações das aulas aconteciam durante a semana no Centro de Mídias de Educação do Amazonas (Cemeam), da Secretaria de Estado de Educação (Seduc), no bairro Japiim, zona Sul. Os episódios inéditos iam ao ar às segundas, quartas e sextas-feiras, com reprise às terças e quintas-feiras pelo YouTube, no canal “Aula em Casa no Amazonas”, e também na TV aberta nos canais 2.5 e 32.5, da TV Encontro das Águas. A elaboração dos conteúdos para as turmas de 1º ao 5º ano foi de acordo com os eixos de habilidades da proposta curricular da Semed, sempre fazendo link com a Base Nacional Comum Curricular (BNCC).

Segundo a chefe da Divisão do Ensino Fundamental, Vera Lúcia Silva, após todas as seleções dos conteúdos, foram escolhidos os professores que fariam parte das gravações do projeto. “Toda vez que selecionávamos um currículo, priorizávamos as habilidades essenciais que os alunos não poderiam ficar sem receber. Toda equipe iniciou do zero para elaborar as aulas para os alunos do 1º ao 5º ano. Depois de toda essa seleção, os professores elaboravam as aulas e utilizavam os recursos tecnológicos possíveis, para que as aulas ficassem mais atraentes, e assim os programas eram roteirizados e gravados”, explicou Vera.

As maiores koiotagens

Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui